4 motivos para você assistir Lenda Urbana, na Netflix

4 motivos para você assistir Lenda Urbana, na Netflix O slasher, subgênero em que um assassino em série mata adolescentes sedentos e que, no final, acaba sobrando para a final girl enfrentar o vilão, já andava mal das pernas, há algum tempo.

O subgênero, iniciado, oficialmente, pelo incrível Halloween (1978), já tinha virado chacota e não estava sendo levado a sério, nem entre os diretores que faziam esses filmes, como nas continuações inacreditáveis, da série Sexta Feira 13, além de outros filmes que foram reduzidos ao ostracismo, devido a sua qualidade altamente duvidosa.

Porém, em 1996, chega o aclamadíssimo sem defeitos “Pânico” e faz um sucesso tremendo, tanto de público, quanto de crítica.

É inegável que foi um marco no cinema de horror, num consentimento geral, que Wes Craven nos deixou um excelente presente.

Com um roteiro ácido e cheio de metalinguagem, Pânico deu uma nova roupagem de como fazer um filme de slasher.

É claro que com esse jeito novo de se fazer filmes de terror, brincando com a base e elementos de um filme slasher, viriam filmes que fossem parecidos com Pânico, como “Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado”, outra gema dos anos 1990.

Esse também é o caso de Lenda Urbana!!!

Poderia ser só mais uma tentativa chinfrin de copiar o sucesso de Pânico, porém, consegue ser interessante, instigante e surpreendente.

O filme conta a história de Natalie Simon, uma estudante universitária, que suspeita que uma série de assassinatos bizarros estão sendo cometidos, no seu campus, tendo como base lendas urbanas.

Por mais que seja visto como um filme mediano, Lenda Urbana é uma ótima opção, se você gosta de um filme bem humorado e que sabe brincar na sua condição de filme de terror.

Podemos chamar de entretenimento puro, um charme de 98 minutos e eu só preciso te dar 4 motivos para você assistir a essa obra preciosa:

Personagens ótimos

Por mais que seja um slasher, onde, geralmente, os personagens só estão em tela para morrer, ainda somos brindados com personagens únicos.

Além dos estereótipos clássicos, como o casal que só sabe pensar naquilo, o brincalhão, o mocinho e a mocinha.

Isso se deve mais pelos atores, que estão ótimos e super confortáveis em seus papéis, dando para perceber o quão se divertindo eles estão.

Um bom destaque está na mocinha, Natalie, interpretada muito bem por Alicia Witt, que soube dar o tom sério que a sua personagem precisava.

Além de não deixar que macho nenhum mande nela, e de tomar as devidas medidas físicas com assediadores.

Fundadora do feminismo, apenas!!!!!!

Vale destacar, também, a mais engraçada, que é a policial Reese, interpretada por Loretta Devine.

Só assistindo para entender o quão maravilhosa ela é, eu assistiria uma série com essa mulher porque, sinceramente, ela é muito boa e divertida.

Uma personagem que você vai olhar e gritar: PATROA.

Cenas de tirar o fôlego

Um bom slasher não é bom se ele não tiver aquelas cenas de perseguição e tensão, que nos fazem ficar na ponta dos dedos, sem conseguir respirar.

Pelo amor de Bette Davis, as construções das cenas de tensão são muito bem desenvolvidas, tendo todo um processo muito bem construído.

Basta passar pela primeira cena que é uma beleza, para saber que o que vem aí vai ser de qualidade.

Na trama, ele coloca os elementos em cena que, a princípio, parecem não ter nada demais, mas que acabam dando caquinha, com os personagens passando perrengue nas mãos do assassino.

Ou melhor, no machado dele!!!

Além de ser recheado de cenas com o infame jump scare, o que pode até irritar, em certos momentos, porque nem vão te assustar, mas que não vão atrapalhar muito.

É só um elemento que a gente nem se importa.

O bom uso das lendas urbanas

Um assassino portando um machado no banco do passageiro do carro; uma babá que recebe ligações estranhas na casa das crianças que ela está cuidando; uma jovem que passa a ouvir barulhos estranhos no teto do carro, depois que o namorado saiu, em um lugar remoto.

Essas são algumas das lendas urbanas que são citadas e consumadas, durante o filme, e que o roteiro sabe muito bem aproveitar o seu potencial macabro em suas cenas inventivas e com bastante gore.

Um clichêzão que grita nostalgia!!!

Pense num roteiro que tem todos os clichês possíveis reunidos num filme, além de ser bastante previsível em vários momentos.

Lenda Urbana é um filme bastante previsível, sim, bem clichezudo, mas o que difere ele desses outros filmes é que tem um coração.

É aquele filme que sabe muito bem o que é, e que não faz questão de nos trazer algo de novo dentro do gênero, já que tudo foi explorado até nem restar osso.

Mas que mesmo assim é bom, além de ser uma cápsula do tempo, que deixa qualquer um que viveu, nos anos 90, nostálgico, com a sua internet discada, aquele cabelo curto que os homens usavam, que me deu vontade de comer miojo enquanto assistia.

Lenda Urbana é um filme que envelheceu bem, em alguns aspectos, que vai te divertir e assustar durante seus 98 minutos, além de um final supreendente com várias reviravoltas e sustos!

Leia também:

https://enquetepop.com/2020/06/15/curiosidades-sobre-american-horror-story-que-voce-nao-sabia/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *